julho 25, 2014

Guia para mulheres iniciantes no BDSM - 1. Pequena introdução

Oi gente! Dommenique surgindo na nave pra acalmar os ânimos da gurizada que não entende nadinha de BDSM. E pra vocês que já estão no nível 2 aguardem o livro que lá eu exploro um pouco mais os meandros loucos e exxxtimulantes do sadomasoquismo saudável. Aliás, quem quiser contribuir aqui nos comentários e ajudar as gurias e guris neófitos na arte, fique a vontade!


Perdeu a pré-pré-introdução? Taquió, nesse link.

a Rainha Xuxa antes do BDSM

julho 24, 2014

Guia para Mulheres Iniciantes no BDSM - Empoderamento na Prática

Oi gurias!

Sim ~ gurias ~ pois a minha tentativa é reunir algumas dicas bem acessíveis pra vocês. Tu já deve ter notado que a mídia está batendo em cima dos 50 tons de cinza, desse filme que logo vai estar entre os blockbusters do cinema mundial - obviamente você sabe o quanto de marketing e dinheiro é investido nisso.

Mas e a vida real? E se VOCÊ, no fundo, sabe que é a dominadora e não a dominada, mesmo que leve uns tapas e é amarrada? E se é a dominadora mexxxmo, assumida? Como aplicar o bdsm na vida prática, no seu dia a dia, no encontro com seu namorado, namorada, seu parceiro, ficante? E como estender essa sensação de poder pro que interessa de verdade, o que está além das telas de cinema? A vida real?

junho 06, 2014

O Poder abusivo da Cantada de Rua

Depois de ler essa matéria sobre assédio nas ruas e uma suposta tentativa de vincular Feminismo e empoderamento feminino à luta de classe, fiquei meio perdida na minha condição de "branca privilegiada". Afinal de contas, questiono acerca da minha cor e da posição que ela detém numa sociedade extremamente machista, racista e patrimonialista.

maio 30, 2014

Quem tem boca fode Roma

Pra falar um pouco sobre transgressores sexuais em Roma temos a seguinte premissa, super básica: o povo romano nem sabia de que se tratava o binarismo gay/hetero. Além disso, pretendo relacionar Transgressores com Identidade de gênero e, portanto, é complicado lidar com tão poucas fontes e costurar esse textículo que cita minimamente a existência romana pervertida. O povo que adorava Cesares tinha dois, isso sim, dois pares bem definidos e intrínsecos à sua Etica sexual: macho/fêmea e ativo/passivo.

Vamos começar com exemplos. Os romanos não teriam criado conceitos como transgênero, homossexualidade, bissexualidade, heterossexualidade; todos esses são construções modernas. Um cidadão de Roma teria visto uma mulher que vive como um homem como uma mulher vestida de homem. Esses conceitos não existiam na sexualidade romana - eles operavam em mundo de significados e referências diferentes de nós.

abril 23, 2014

Em Porto Alegre - Dominatrix

De volta a Porto Alegre, até meados de maio.

Já visitou meu Tumblr? Quem sabe tu se interessa nas minhas referências - que a primeiro momento não concatenam. Talvez num segundo? Dá uma vasculhada.