Fetish movie - Maîtresse (1976)

Para a maioria das pessoas, a dor é o oposto do prazer. Além disso, assistir violência no cinema erótico, para essas mesmas pessoas, é assimilar que a vida real é duríssima. Mas como diz a feminista Lynne Segal, "todos temos o direito de ser um pouco melhor informados sobre a natureza e o poder de nossas fantasias e, portanto, teremos menos ansiedade pelas nossas fontes de prazer sexual - isso significa sanidade da mente; porque, de qualquer forma, fantasias pornográficas não têm ligação direta com a forma como eles podem ser realizados no cotidiano sexual".  

 
Assim como sonhos, filmes oferecem um lugar seguro para explorar fantasias perigosas, para satisfazer os desejos que podem ter consequências adversas ou até mesmo morte. É, morte.
Até onde pode ir as coisas dentro de um casal, cujo motor é a espiral de violência? Em Maîtresse (1973), Olivier (Gérard Depardieu) é o amante de uma dominatrix profissional (Bulle Ogier). Onde os mediadores são a crueldade e a violência, usam os corpos de seus clientes submissos e masoquistas numa competição de supremacia sexual. Quando ele cintadas e palmadas na bunda de uma mulher, ela o supera ao apagar o cigarro na mão de um homem, perfurando seus mamilos com agulhas ou cravando o pênis num tabuleiro (bota superar nisso!). No final, eles conseguem uma trégua quando ela senta-se em seu colo, ao volante de um carro, e fazem sexo. Morrem, claro... No equilibrio anulam-se, o que no filme representa a morte de ambos.


La Maîtresse (IMDb)

Nenhum comentário:

Dommenique Luxor. Tecnologia do Blogger.